(66) 3212-4700

No último domingo (18), um procedimento cirúrgico de alta complexidade foi realizado com sucesso por uma equipe de neurocirurgiões e cirurgiões de coluna no Hospital 13 de Maio. Um paciente de 57 anos foi submetido a uma delicada cirurgia de coluna para corrigir uma fratura da junção craniocervical (segunda vértebra cervical).
Em março passado, ele sofreu um acidente automobilístico e quase perdeu os movimentos das pernas e braços. Desde então, precisava usar um colar cervical para ajudar na sustentação do pescoço.
Conforme o neurocirurgião Dr. Joubert Almeida, com o passar do tempo, o quadro do paciente foi se agravando, pois os exames de imagem mostravam uma instabilidade entre as vértebras. “O deslizamento de uma das vértebras estava pondo em risco a medula espinhal, o que poderia deixá-lo com sequelas neurológicas como a tetraplegia”, explica.
Segundo o médico, a cirurgia foi o tratamento necessário (Fusão Cervical C1-C2 via posterior, técnica de Harms). “Nós fizemos a fixação da coluna com hastes e parafusos especiais de titânio que possuem boa compatibilidade com o corpo e baixo risco de rejeições”, disse, acrescentando que a técnica empregada apresenta alto grau de dificuldade.
Dr. Joubert conta que como o local operado é bastante irrigado e próximo das Artérias Vertebrais, que nutrem partes importantes do cérebro, o maior desafio foi inserir os parafusos no local, sem atingir essas artérias (sob risco de provocar um AVC).
“Graças à ajuda dos colegas convidados, unimos conhecimentos e esforços, sendo possível alcançarmos o objetivo. Além disso, contamos com recursos tecnológicos, como o neuronavegador e um raio-x intraoperatório”, completou.
Além do Dr. Joubert, participaram do procedimento os médicos Dr. Alessandro Cavicchioli (cirurgião de coluna, Cuiabá-MT), Dr. Paulo Tarso Mendonça (neurocirurgião, Sinop-MT) e Dr. Ulisses Pedrosa (anestesiologista). O pré-operatório contou com o suporte do Dr. Rafael Valentini (cardiologista) e do Dr. Alexandre Rezende (urologista) devido às condições clínicas prévias.
O paciente – que já recebeu alta hospitalar – se recupera bem, sem nenhuma sequela.

Ângela Gimenez

Ângela Gimenez

Jornalista

Ângela é formada em jornalismo, atua como assessora de imprensa para órgãos públicos e privados. Também é cerimonialista e apresentadora de TV. Atualmente apresenta o Programa Evidência.

Share This